Um Desafio de Elevação da Consciência: 57 Dias de Consciência – #57deconsciencia

 

Dia desses me veio o chamado para fazer um desafio que pedisse envolvimento, tanto meu quanto das Almas que me acompanham nas redes sociais.

Sabemos que o mundo anda cheio de desafios – e que desafios! E no Brasil os desafios não tem sido muito menores. Sei que nós, brasileiros, somos um povo que ama as Redes Sociais e sei, também, o quanto as redes sociais podem ser uma faca de dois gumes: elas podem ser veículo de extrema Luz, ao nos possibilitar aprender, ensinar, ajudar, entrar em contato, obter informação, e compartilhar mensagens positivas, auxiliando na elevação da consciência coletiva. Ao mesmo tempo elas podem, também, ser veículo de escuridão, difamando, ofendendo, machucando, espalhando mensagens de medo, ódio, preconceito e ameaças.

Eu –  como acredito que a maior parte de vocês também –  uso as Redes Sociais para compartilhar e receber Luz. Vejo as Redes Sociais como uma verdadeira benção, porque elas nos possibilitam não apenas entrar em contato com familiares e amigos que moram longe, como também a chance de conhecer pessoas que, de outra forma, talvez nunca encontrássemos. Porém, manter-me como uma consumidora – ou receptora – do que as Redes têm de melhor tem sua porção de desafio.

Dê uma olhada no seu feed de notícias do Facebook, Instagram ou Twitter. Dê uma olhada em quantas notícias nada bacanas e postagens que trazem reclamação, crítica, raiva, vitimismo, etc você verá por lá. Veja bem, quem posta esse tipo de conteúdo acredita, em sua consciência, que está fazendo algum tipo de bem. Outras pessoas também usam as Redes Sociais como local para desabafo (elas aparentemente se esquecem de que existe um sem número de pessoas lendo o que elas escrevem, as vezes tenho a impressão de que as pessoas acham que, ao postar certas coisas nas Redes Sociais estão, na verdade, apenas escrevendo no seu Diário pessoal que guardam na privacidade do seu quarto). Mas a verdade é que as Redes não trazem essa privacidade. E as vezes achamos que só quem comentou ou curtiu a postagem leu o que escrevemos, mas não é assim: as pessoas leem, muitas vezes apenas julgam, mas não deixam nenhuma mensagem. Outras vezes as postagens levam um conteúdo que, ao invés de colaborar e elevar, apenas contaminam. Somos Um e nossas ações (assim como pensamentos) afetam aos outros e ao ambiente, tanto do lado positivo quanto do negativo.

Além disso estamos dentro do período de Omer, que são dias desafiadores em que atuaremos de forma proativa com o objetivo de realmente merecermos a Luz que recebemos na conexão de Pessach. Assim, estas mensagens diárias nos ajudarão a manter nossa vibração elevada e nos ajudarão a nos lembrarmos de que o desafio existe para que possamos enfrenta-lo com consciência e – por que não? – felicidade pela oportunidade de auto lapidação e e revelação de Luz.

Tendo em mente este quadro, senti que o movimento dos #57diasdeconsciencia seria uma oportunidade única e muito proveitosa de colaborarmos com a elevação da consciência e a positividade da nossa comunidade que faz parte das nossas Redes Sociais. Do meu jeito como acontece com os “desabafos” que citei anteriormente, quando compartilhamos algo bacana e inspirador, muitas pessoas não comentam e não curtem, mas tiram proveito dessa energia positiva – e isso é o que interessa.

Por que a aderir a este movimento?

A bem da verdade, tudo está conectado, não existe aquela separação que muitas vezes achamos que existe, de vida real x vida virtual. Nada disso: energia é energia e, como já sabemos, energia é tudo que há. A verdade é que a Internet possui um poder imenso de distribuição de informação e, com ela, de energia. Que energia você quer distribuir?

Minha intenção por trás desta proposta é começar algo que, eu sei, ainda tomará uma proporção maior do que imaginamos, maior do que nós mesmos, maior do que nossos sonhos. Minha intenção é fortalecer nossa Comunidade de Consciência através da distribuição de mensagens de elevação da consciência. Quando alguém clicar na hashtag #57diasdeconsciencia no Instagram, no Facebook e no YouTube verá quem nós somos, verá que temos rosto, que somos de Verdade, verá que existe uma comunidade que busca compartilhar Luz, e que talvez essa seja a Tribo para a qual esse alguém deseja entrar. 

Com os #57diasdeconsciencia resolvi dar um passo adiante e, além de convidar aqueles que fazem parte da Comunidade de Consciência que se formou ao redor das minhas Redes Sociais ao longo dos anos para compartilharem todos os vídeos que publicarei diariamente, também os convidei a criarem seus próprios vídeos, textos, frases, imagens, fotos ou trechos de livros que podem mudar o dia de alguém. Já que podemos optar entre compartilhar Luz, compartilhar Luz e seguir neutro, nem preciso dizer: escolha sempre compartilhar Luz

 

Quando você receber algo que tenha mudado sua vida, quer seja um livro, vídeo ou pensamento; quer seja um conselho ou o conhecimento de uma nova sabedoria, não perca tempo: compartilhe imediatamente com os demais. Esta atitude não apenas canaliza mais Luz para a Terra, como te prepara para ser não apenas canal como também receptor de ainda mais Luz na sua Vida. E quando esse tipo de ação acontece em conjunto, como estou propondo com os #57diasdeconsciencia , a Luz revelada é ainda maior, tanto na vida dos participantes quanto na vida daqueles que nos cercam e, em última análise, no mundo. 

 

Como vai funcionar?

Ao longo de 57 dias, começando no dia 1 de Maio de 2017 até o dia 26 de Junho de 2017 postarei 1 vídeo por dia, todos os dias, às 8h da manhã no meu canal no YouTube (clique AQUI e inscreva-se) e na minha FanPage no Facebook (clique AQUI e inscreva-se).

 

Como você pode participar?

Você pode participar compartilhando os meus vídeos nas suas Redes Sociais para chamar mais pessoas para esse movimento de desenvolvimento de consciência. Você também pode criar e compartilhar seus próprios vídeos ou textos, frases, imagens, fotos, trechos de livros, etc, que auxiliem na elevação da consciência, usando a hashtag #57diasdecosnciencia e também #rachelnewman e #transformesuavida para que eu e todos que estão participando deste mutirão possamos, não apenas nos inspirar com suas mensagens, como para que possamos ter um verdadeiro registro do que foram estes 57 dias que, eu tenho Certeza Absoluta, vão mudar as nossas vidas e daqueles à nossa volta.

 

Por que 57 dias?

Meu Nome de Deus na Kabbalah é o de número 57: Escute a Sua Alma. E foi isso que fiz para lançar esse desafio/movimento: escutei a minha Alma e aqui estou. E se você escutar da sua Alma o chamado para vir de mãos dadas comigo nessa aventura de 57 dias, saiba que meu coração já se abre em gratidão à você, Alma querida. Eu Sou Você, Você É Eu.

Somos Um! Vamos juntas e juntas somos mais fortes!

Gratidão, com Amor,

 

7 Dicas para lidar com o stress de final de ano

7-dicas-para-lidar-com-o-stress-de-final-de-ano

Dezembro está aqui!

Ai, como eu amo essa época do ano! Sinto uma energia maravilhosa de Amor e de compartilhar no ar.

Por outro lado, pode ser uma época avassaladora. A proximidade das férias pode demandar que se trabalhe ainda mais; o trânsito pode ficar mais intenso; a agenda pode ficar apertada com tantos compromissos… E uma série de outros fatores podem demandar ainda mais sua atenção e, quando você vir, já poderá estar imersa no stress.

Dessa forma essa época, que poderia ser tão mágica e especial, pode acabar perdendo o brilho. Pensando nisso preparei este post com 7 dicas para que você possa lidar com essa época do ano sem se estressar:

 1. Medite

E medite, e medite, e medite, e medite de novo… Sim, não canso de bater nessa tecla: faça do meditar um hábito como escovar os dentes. Se você já se dedica à prática não permita que a “falta de tempo” do final de ano te tire essa conquista, e se você ainda não pratica, que tal se dar esse presente de Natal?

No nosso canal tem vídeos sobre meditação: este AQUI é para falar sobre a meditação para iniciantes em linhas gerais, este AQUI traz a meditação para iniciantes na prática, este AQUI tem uma meditação guiada que é mais que especial para mim e este AQUI traz uma meditação para o perdão maravilhosa para fechar o ano deixando tudo que tem que ficar para trás, para trás – aproveita que 2016 é um ano de finalizações e 2017 um ano de inícios! Falarei mais sobre num áudio que já está quase saindo do forno!

 

2. Coma bem e cuidado com a bebida

No Brasil as festas de fim de ano acontecem no verão. Logo, dezembro já é um mês bem quente. Tendo em mente que, normalmente, o cardápio de Natal e Reveillon costuma ser bem pesado para o clima quente (oi, maionese, massas, carne de porco, tortas doces, sobremesas em geral etc, além de bebidas alcoólicas), não perca a mão no restante do mês.

Sei que nessa época do ano também acontecem as maravilhosas confraternizações, e não estou falando para não comer, mas quando não estiver nesses eventos, procure comer bem e de acordo com o clima. Afinal, quem vai querer ficar com dor de barriga, dor de cabeça, indigestão e mal estar logo num mês cheio de coisas tão legais?

Aproveite as festas de final de ano para compartilhar comida com quem precisa! Neste vídeo AQUI falo exatamente sobre isso.

 

3. Beba muita água

Parece loucura falar que precisamos beber água, né? Pois é, mas muitas vezes esquecemos de algo tão básico, sobretudo na correria. E isso vale para que você fique de olho também nas crianças e nos idosos, pois muitas vezes eles não bebem água o suficiente e isso é super importante para eles.

Além disso, devido ao calor suamos mais: é super importante repor os líquidos. Um liquido fabuloso ao qual temos mais acesso no Brasil é a água de coco. Sim, ela é excelente para repor nutrientes, deliciosas e… sinto muitas saudades, por aqui ainda não vi água de coco fresquinha, sando direto do coco para o meu copo. Então aproveita!

 

4. Siga com sua rotina de exercícios físicos

Não permita que a “falta de tempo” te impeça de seguir com sua rotina de exercícios. Os exercícios liberam endorfina, e isso nos ajuda a ter um maior bem estar ao longo do dia. Procure fazer seus exercícios, não importa o horário: se sua agenda apertar, reserve sempre 1 horinha, que é apenas 4% do seu dia para se dedicar ao seu bem estar.

Neste vídeo AQUI eu falei sobre a importância dos exercícios físicos para a nossa espiritualidade.

 

5. Leia a livros, textos e assista vídeos que te inspiram e trazem leveza

Já falamos várias vezes sobre o quanto tempos facilidade para nos conectarmos com a negatividade aqui no 1%, não é mesmo? Ligamos a TV e vemos inúmeras tragédias. Folheamos os jornais e as notícias não são muito diferentes. Nas conversas, sempre tem aquela pessoa que tem uma história terrível para contar. Qual a solução então, é tornar-se alienado? Nada disso.

A solução é selecionarmos o que consumimos. Saber o que ocorre no mundo, no nosso país, na nossa vizinhança é extremamente importante, mas remoer detalhes, passar a julgar e a imaginar um futuro tenebroso… bem, aí já é outra história. Como tomaremos conhecimento de muitas notícias, isso é inevitável, cabe a nós escolhermos conscientemente sempre que pudermos um conteúdo mais enriquecedor para consumimos. Isso nos ajuda a elevar nossa energia, nos ajuda a entender melhor o funcionamento do Universo, nos ajuda a compreender como usar as notícias nem tão bacanas para nosso crescimento e para manifestarmos um mundo melhor para todos. Procure pessoas que compartilham mensagens que agregam e que te façam voltar para os trilhos sempre que necessário. Assista a vídeos dessas pessoas, ouça áudios, leia textos e livros. Aliás, adoro a idéia de deixar um livro ou deck de cartas com mensagens positivas do lado da cama, e tiro uma antes de dormir e uma ao acordar.

Sobre esse assunto, tem este vídeo AQUI no canal falando sobre a Mídia e a Negatividade, e também tem esse AQUI falando sobre como usar as notícias de tragédias para manifestar algo positivo.

 

6. Programe-se para o mês de dezembro

Pega seu planner, seu caderno, sua agenda, seu celular, e anota o que tem que fazer. Faça uma lista, em seguida a divida por ordem de urgência, de local (às vezes você vai levar a calça para fazer barra, comprar presentes e aspirina no mesmo lugar, como no shopping, por exemplo). Selecione as Top 3 prioridades sobre o que fará em cada dia e vá cortando tudo que for sendo feito. Não deixe para a última hora, sabe aquela coisa de estar dia 24 no shopping ou no supermercado? Planeje-se para impedir isso. É possível.

Ah, e para o comecinho do ano que vem estou planejando um curso sobre planejamento que se baseia em planejar a vida com propósito, com motivo, com razão; de acordo com as leis espirituais e as leis terrestres (aka relógio, o senhor do tempo do 1% hehe). Vou contar sobre meu método de planejando que me permitiu conciliar e manifestar muitas coisas incríveis neste ano de 2016 na minha vida, como a consolidação do meu trabalho online, minha imigração, meus relacionamentos e meu casamento. Uma grande lição que aprendi na vida foi que podemos recuperar muitos “bens”, podemos perder todo o nosso dinheiro e recuperar tudo de novo, podemos ficar muito doentes, perdendo nossa saúde e podemos recupera-la novamente, mas o tempo não: ele só vai. Então vamos fazer o máximo do tempo que temos por aqui, sem ansiedade e com muita apreciação e alegria.

 

7. Deixe para programar o ano que vem em janeiro

Eu prefiro. O final do ano chega numa correria, muitas pessoas experimentam uma ansiedade a mais, o planejamento para as festas e até mesmo para viajar. Para quê colocar uma tarefa a mais nesse período? No fim seu planejamento pode acabar virando apenas uma imensa To-Do List para o ano seguinte. Além disso, na minha visão é primordial reservar um tempo para CURTIR essa época do ano, sabe?

Com a virada do ano estaremos ainda mais relaxados e com as baterias recarregadas para planejar de modo mais eficiente e real o ano que está começando. Podemos nos dedicar a essa tarefa, então, com mais leveza e diversão.

É isso que farei e compartilharei com vocês no curso \o/

 

Bora lá aproveitar cada minuto deste dezembro da melhor maneira possível?

 

Rachel Newman

Tu B’Av: Feliz Festa do Amor! Feliz Dia das Almas Gêmeas! – e sobre como fui parar na Kabbalah

Rachel Newman

Hoje dia 15 do mês de Av, comemoramos Tu B’Av na Kabbalah, a chamada Festa do Amor e Dia das Almas Gêmeas.

 

⇒ Um pouco da minha história: como fui parar na Kabbalah

Hoje completo 4 anos de estudo e estilo de vida na Kabbalah. Ainda me lembro daquele dia em que pisei pela primeira vez no Kabbalah Centre de São Paulo.

madonnaHavia ouvido falar da Kabbalah pela primeira vez em 1998. Procurei saber mais mas não encontrei um local para isso. O tempo passou e, na hora certa, o meu caminho se encontrou com a Kabbalah. Eu havia falar da Kabbalah, como muitos, por intermédio de Madonna, que eu admiro muito. Quando ela lançou seu álbum Ray of Ligh, eu apreciava e lidava com meditação, yoga, mantras e apreciei muito aquele trabalho dela, tão diferente do que ela usualmente fazia e tão relacionado comigo. Hoje, eu sei, este álbum é uma aula de Kabbalah. O que ela fez foi passar os ensinamentos da Kabbalah através de músicas. Mas não é algo tão óbvio: muitas coisas que parecem x nas letras deste disco, descobrimos depois, estudando a Kabbalah, que significa y. Aliás, recomendo esse trabalho para qualquer um. Um álbum atemporal e lindo. Madonna havia dado à Luz sua primeira filha, Lola, em 1996, e havia entrado em estúdio para a gravação deste álbum em 1997. Ela estava linda, feliz e natural neste período.

Muitos anos se passaram e num domingo de 2012 eu estava numa das frequentes festas de família que tinha no Brasil. Resolvi perguntar a uma prima que estava frequentando a Kabbalah, sobre o que ela estava achando. Ela disse que estava gostando muito e me recomendou que me inscrevesse na Newsletter do Kabbalah Centre para receber informações e me inscrever assim que houvesse um evento. Alguns dias depois, naquela mesma semana, recebi um e-mail falando sobre o Evento de Tu B’Av. Decidi que iria e decidi chamar uma prima minha, nós não andávamos juntas o tempo todo ou algo assim, apenas senti um impulso de chama-la que veio, como falaríamos, “de lugar nenhum”, mas que hoje sabemos, veio da Luz.

A convidei e ela disse sim. Lá fomos nós. Quando chegamos tudo era muito diferente do que eu esperava. Tudo branco, música ao vivo, havia uma professora cantando e um aluno tocando o violão. A palestra foi num tom animado, leve, nada pesado ou sério como muitas vezes achamos que a espiritualidade deve ser. Na saída pegamos um papel com os cursos, e quando olhei falei para ela que faria online pela questão do deslocamento, porque morávamos no interior e o curso era em São Paulo. Ela imediatamente me disse que não, que nós deveríamos fazer o curso presencial. Naquela época eu trabalhava como maquiadora e minha prima num trabalho das 8h as 6h. Resolvemos nos matricular e toda semana íamos para São Paulo, pegávamos estrada, marginal, transito, fizesse chuva ou sol, toda semana estávamos lá prontamente para nosso curso. A cada semana era uma descoberta incrível! A cada semana saiamos da aula maravilhadas com uma nova lição que colocávamos em pratica pelo resto da semana, até irmos para a aula novamente na semana seguinte, impressionadas com as transformações que estávamos experimentando e ávidas por mais uma aula. Depois de um tempo passamos a frequentes aos Shabats também, e os eventos, então íamos de 2 a 3 vezes para São Paulo. Toda a dificuldade de deslocamento se tornava apenas mais um lindo obstáculo a ser superado com leveza e gratidão, uma chance a mais de colocarmos em prática o que estávamos aprendendo. E eu e minha prima nos unimos em laços inestimáveis, inexplicáveis, laços que não têm mais como serem desatados, porque ele foi firmado por uma única energia: a Luz.

Nós duas vimos, então, nossas vidas se transformarem, dia a dia, minuto a minuto, vimos desafios imensos se apresentarem e ser ultrapassados, um a um. Descobrimos que, quando estamos com a Luz, nada é impossível.

 

⇒ Tu B’Av: o dia 15 de Av, a Lua Cheia do mês de Leão

Screen Shot 2016-08-18 at 11.36.44 AMBem, aquele evento era Tu B’Av e naquela ocasião o professor falou que as Almas Gêmeas estavam separadas por um Oceano, mas que na hora certa elas se encontrariam, e nessa ocasião até pensei “Em países diferentes?”. Meses depois descobri que, no meu caso, sim, em países diferentes. E, sim, na hora certa nos encontramos. Nem um segundo antes e nem um segundo depois: na hora certa. Que lindo dia para termos iniciado na Kabbalah. Lá firmei meu compromisso com a Luz, com a minha prima e, tempos depois, com minha Alma Gêmea.

O mês de Leão (Av) é dividido, digamos assim, em duas metades: a primeira é pesada, densa, pode ser escura e até mesmo negativa. Já a segunda é a mais positiva de todos os meses. Hoje entramos na segunda quinzena de Av no calendário da Kabbalah, hoje iniciamos a segunda metade de mês mais positiva do ano. Hoje celebramos Tu B’Av, o dia mais cheio de alegria e Amor do ano, a Lua Nova de Leão. Hoje é a Festa do Amor, o Dia das Almas Gêmeas, e isso acontece devido à união do Sol e da Lua neste dia, a união dos aspectos masculino e feminino.

Alguns querem encontrar um parceiro ou parceira, e o fazem guiados pela beleza, pela estabilidade financeira, pelo status, pela carência… Mas existem aqueles que se abrem para o encontro da Alma Gêmea com a intenção de avançar no tikun pessoal e global, isto é para colocar em pratica a autocorreção e a auto transformação que efetivamente auxiliarão no nosso processo terrestre global. É dito que quando um casal age com agressividade, brigas, animosidade ou desdém um em relação ao outro, isso reverbera e traz esse tipo de energia para o mundo todo.

 

Pense comigo: se não formos capazes de tratar a pessoa que amamos com respeito, Amor, cuidado e, em ultima analise, com dignidade humana, como poderemos esperar ver a paz reinar na Terra algum dia?

 

Hoje a noite e amanhã, medite na energia das Almas Gêmeas. Medite em seu relacionamento, independentemente de você já o ter manifestado ou não, medite em manifestar, mais do que a união de duas pessoas que decidem ficar juntas, a união formando o Um, manifestando nessa relação o que somos em termos global. Comprometa-se a fazer o necessário para que esse encontro aconteça: comprometa-se a trabalhar na sua conexão com a Luz para que sua Luz interior brilhe o suficiente para que o encontro aconteça.

Medite no Poder do Amor. Medite para trazer a energia das Almas Gêmeas para sua vida, seus relacionamentos, para o planeta Terra.

Somos Um.

Feliz Festa do Amor, Feliz Lua Cheia de Av.

Com Amor,

Rachel Newman

Sobre sua felicidade e a minha missão

Sobre ser feliz e minha missao Rachel Newman

 

Andei pensando sobre o balanço do mês de Julho e queria te contar um pouquinho sobre como o compromisso é capaz de transformar nossa vida.

⇒ Vídeos Todos os Dias em Julho

No mês passado fiz o que chamei de Vídeos Todos os Dias em Julho, que foi meu compromisso de postar um vídeo de valor naquele mês diariamente, não importa o que acontecesse. O processo foi maravilhoso para mim.

Uma primeira dica importante que gostaria de compartilhar com você é: quando algo parecer difícil, faça mais daquilo. Essa é a sacada, esse é o “x” da questão. Dizem que “a prática leva à perfeição”, e essa é uma verdade. Ninguém, eu disse NINGUÉM começa no topo. Todo o mundo foi amador, todo o mundo foi iniciante, todo o mundo. A diferença entre quem é um, digamos, sucesso e quem não vingou, é que o primeiro resolveu não desistir tão facilmente. Desafios sempre existirão, e a questão a ser respondida é: Por que faço o que faço? Qual a minha motivação? Nas horas em que parecer muito pesado, muito difícil, é isso que vai te dar o fôlego necessário para continuar – ou é o que te mostrará que o que você está fazendo não vale a pena.

A prática leva à perfeição e você, eventualmente, alcançará a excelência, desde que não desista.

Como compartilhei com vocês, em Julho resolvi iniciar o curso que nos forma como Life Coach na metodologia de Tony Robbins, um grande mentor meu. Esse curso é desafiador, é pesado, tanto em conteúdo quanto emocionalmente falando. Uma verdadeira lição de vida. A maravilha é ver como já emprego em meu trabalho muito do que ele emprega. Assim funcionam as Egrégoras: fazemos coisas parecidas sem nem saber.

Mas para que tanta dedicação a servir cada vez mais melhor, a auxiliar cada vez mais pessoas de um modo realmente eficaz?

Bem, cada um tem seu motivo, quanto a isso não restam duvidas. Meu motivo, minha motivação é que eu acredito piamente que todos têm o direito inalienável de ser feliz e viver a vida dos seus sonhos. Eu tenho certeza absoluta disso. E essa certeza vem da ideia de que, se eu consegui e consigo, outras pessoas também podem conseguir. E tenho certeza de que manifestar essa realidade só depende de cada um. Não há coerção na espiritualidade, não há coerção no que se refere à felicidade. Ninguém pode virar e impor ao outro: “Ei! Você vai se dedicar a ter uma vida espiritual! Você vai se dedicar a entender o sentido da vida de acordo com seus termos e você vai ser feliz!!! Não quero nem saber, você vai ser feliz!” Isso não existe.

Mas o poder do compromisso, a decisão, ah essa existe e ela surge dentro de cada um. O que faço é me dedicar a ser canal de Luz para quem deseja esse caminho para si. O que faço é me dedicar a ajudar as pessoas que querem minha ajuda para passarem por esse processo.

⇒ O momento do basta                               

Sim, há um momento do basta… Quando a pessoa fala “Chega! Não dá mais!” E nesse momento ela entende que as coisas não estão OK, que elas devem mudar e, mais que isso: quem elas podem ser mais e melhor. Depois do momento do basta, há um tempo de processo até que se chegue no momento-chave, quando a transformação realmente começa a acontecer. 

Neste vídeo falo com vocês sobre a prática que faz algo se tornar “fácil” e sobre minha dedicação a mentorar cada vez mais pessoas nesse processo de manifestarem a vida dos seus sonhos.

Espero que esse vídeo te toque tanto quanto me tocou faze-lo.

Com Amor,

 

Rachel Newman

 

10 erros para PARAR de cometer em TODOS os seus Relacionamentos

10 erros para parar de cometer em todos os seus relacionamentos

Hoje resolvi conversar com você sobre 10 coisas para PARAR de fazer em TODOS os seus Relacionamentos, devido à importância central que os relacionamentos têm nas nossas vidas.

Tudo que acontece nessa vida, acontece para servir de pano de fundo, de palco para que a verdadeira ação aconteça: os relacionamentos. É nos relacionamentos que realmente crescemos, no relacionamento a dois, com nossos familiares, amigos, colegas de trabalho e desconhecidos. Ser espiritualizado, equilibrado, calmo, não entrar em atrito com ninguém sentado sozinho no topo de uma montanha ou dentro de uma caverna é fácil, mas e manter isso tudo às 6 da tarde na Marginal Tietê? No meio de uma briga? Quando alvo de uma fofoca? Quando contrariado, roubado, ferido?

Não me entenda mal: retiros espirituais, ficar sozinho e até mesmo sem falar por alguns dias é muito benéfico, pois nosso equilíbrio interior e nossa verdade interior é a nossa realidade: vivemos a vida de acordo com o que temos no nosso interior. O que determina se uma pessoa será feliz não é o que ela tem ou o que acontece com ela no mundo exterior, mas a forma como ela encara isso tudo. Mas e quando vamos realmente colocar nossas convicções à prova, quando seremos testados para ver se o que pregamos é real, se o que falamos é, de fato, o que vivemos? É através do relacionamento com os outros, na forma como nos deixamos afetar por eles, na forma como lidamos com eles, no quanto permitimos que nossos botões sejam apertados e que nosso ego entre em ação.

 

Veja o vídeo no qual falo para que temos relacionamentos, e como eles são fonte de Desafios e Benção clicando AQUI

 

Pensando nisso, fiz essa lista de 10 pontos para PARAR de fazer nos seus relacionamentos.

 

⇒ Fazer comentários que ferem

Hoje há uma confusão muito grande entre ser sincero e ser grosseiro e sem tato. Você pode achar que está ajudando a outra pessoa, “dando uma dica”, sendo muito franco mas, na verdade, pode apenas estar sendo inconveniente e indelicado.

Avalie suas palavras e modo de falar. Se há algo que você não gostaria de ouvir, não fale. E mesmo que haja algo que você diga que não se importaria de ouvir, avalie se o outro está aberto ao seu comentário. Além do desejo de ajudar com o conselho, precisamos ter o discernimento de perceber se aquela pessoa está preparada ou aberta para o comentário.

Achamos que apenas a agressão física ou o abuso verbal ferem, mas frases jogadas aqui e ali, sobretudo quando trazem algo que sabemos que é o ponto fraco do outro, podem ferir tanto quanto ou até mais do que uma ação física.

Palavras têm poder, use-as para construir, e não para destruir.

 

⇒ Apontar defeitos o tempo todo

Todos nós temos defeitos, isso é fato. Mas já pensou ter alguém ali, sempre de prontidão diariamente para apontar e te lembrar de todos os seus defeitos e até de outros que você nem tem?

É importante, quando for o caso, que auxiliemos as pessoas com seus defeitos, mas lembre-se de que uma pessoa se transforma muito mais facilmente e lindamente pelo exemplo do que pela pregação.

Pergunte-se: o que ganho ao apontar o defeito do outro? Como esse defeito que vejo no outro também está presente em mim? Aponto esse defeito com Amor, para auxiliar, falando no momento correto e da forma adequada ou o faço com a intenção de colocar o outro para baixo, de ficar por cima, de elevar minha baixa auto-estima?

A consciência por trás das ações é tudo. Quando falamos algo com a intenção do Amor, o resultado é o melhor possível mesmo que no momento pareça que não, mesmo que cause algo que pareça um problema, com o tempo a verdade se revelará.

 

⇒ Controlar

O controle é um ego perigoso porque a pessoa que o possui normalmente não percebe e, mais que isso, ele adora se disfarçar de “preocupação e amor”.

A necessidade de controle poda oportunidades de crescimento para todos e atrapalha o desenvolvimento e o caminho do outro. Além disso o controle passa para a Luz a mensagem de que ela não precisa atuar ali porque já existe outra força que se julga maior atuando e, assim, materializa a falta de certeza na Luz.

Queremos controlar o tempo todo, acreditamos que podemos controlar algo, isso satisfaz nossa necessidade básica humana e certeza. Mas, adivinha, a verdade é que não podemos controlar nada e nem ter certeza de nada. A única certeza que podemos ter é na Luz, e em que tudo sempre se desenrolará da melhor forma possível

 

⇒ Carregar a mala alheia

Numa metáfora é dito que todos nós possuímos uma mala para carregar, uma bagagem composta de nossa experiência de vida, nossos traumas, nossas frustrações, culpas, as experiências que precisamos viver e as lições que precisamos aprender.

A bagagem é única e intransferível. Ao tentar carregar a bagagem de alguém você não apenas não o consegue e atrapalha o outro, como negligencia a sua própria bagagem, que é sua única responsabilidade e a única sobre a qual você pode fazer algo.

Esse ponto está bastante ligado ao anterior, controle. Achamos que sabemos mais do que o outro o que é melhor para ele. Achamos que precisamos “ajudar”, não queremos ver o outro “sofrer”. Bem, adivinhe você: eu, você e todo o mundo está aqui por algum motivo. Para aprender, para viver. Se você tentar tirar a bagagem do outro, você não permite que ele cumpra sua missão, não cumpre a sua e ainda, de brinde, corre o risco de fazer com que o outro se sinta inútil e incapaz de fazer por si, pois aprendeu, de alguma forma que não era capaz, por isso precisa de você para fazer isso.

Muitas pessoas entram nessa viagem para suprir a necessidade humana da significância: querem sentir que são importantes, necessários, imprescindíveis de alguma forma, no caso, atrapalhando a vivência alheia.

Outro fenômeno que também observamos nesse tipo de caso, é que o “carregador de mala alheia” acaba tendo pessoas que se metem em sua vida, e ele, normalmente, não gosta disso. Mas pense comigo: se você deixa sua mala de lado para carregar a alheia, a sua ficará atravancando o caminho e será um grande atrativo para outros que também gostam de carregar a mala alheia. Lembre-se: se você não cuidar da sua vida, aparecerá alguém para cuidar – e não será bacana

 

Veja o vídeo no qual falo sobre Quando Ajudar Atrapalha, clicando AQUI.

 

⇒ Inventar desculpas

O outro agiu assim porque estava num mau dia. Eu agi assim porque estava doente. O outro agiu assim porque é emotivo. Eu agi assim porque me provocaram.

Arrumar desculpas para seu comportamento e o comportamento alheio nada mais é do que negação e construção de um véu que impede de ver a verdade.

As desculpas nos afastam do crescimento individual e em grupo. Assumir a responsabilidade é um grande passo que damos na condução de nossas vidas, quando assumimos a responsabilidade, as desculpas deixam de existir, elas não fazem mais sentido. Então, adivinha? Bem, então não tem jeito, é preciso encarar a realidade, ajustar o que precisa ser ajustado, consertar, e até encerrar.

Opte sempre por ver a verdade. Por mais que doa na hora, a longo prazo será um presente.

 

⇒ Dar o outro como garantido

Quando damos a presença do outro como garantida em nossa vida, deixamos de apreciar. E quando não há apreciação genuína o relacionamento, ou sua saúde, estão com os dias contados.

Nada é garantido na nossa vida: NADA. Nem o fato de que ao acordaremos amanhã o Sol ainda estará lá, nem o fato de que acordaremos amanhã é garantido. Imagine a presença, o Amor e o compartilhar do outro.

Isso é muito evidente, por exemplo, nas histórias em que um ente querido faz a passagem para o outro plano e, então, a culpa surge porque não se apreciou enquanto a pessoa estava no ambiente terrestre. Ao invés de carregar esse tipo de culpa, aprenda com a experiência e passe a apreciar quem está na sua vida agora.

Um exercício que ajuda muito nisso, é saber que ninguém é nosso: são todos ferramentas para nosso crescimento, e são todos emprestados da Luz: um dia teremos que devolver. Melhor aproveitar e apreciar enquanto temos ao nosso lado.

Aprecie, aprecie, aprecie.

 

Para assistir ao vídeo no qual falo sobre a Apreciação, clique AQUI

 

⇒ Achar que o outro deveria adivinhar o que você pensa ou quer

Essa é uma característica frequentemente encontrada nas mulheres, mas homens também podem apresentar este traço.

Veja bem, o outro, até segunda ordem, não é Nostradamus. Sua habilidade, provavelmente não é a de adivinhar pensamentos ou ler cara feia ou respiradas profundas e impacientes para entender o que você quer dizer.

Se você quer que o outro saiba de algo, DIGA. Expresse-se. O bom relacionamento tem na comunicação aberta, sincera e amorosa um de seus grandes pilares. Quando se espera que o outro entenda códigos, o relacionamento passa a ser um jogo com o objetivo de ter um perdedor e um ganhador e, nesses casos, adivinhe: todos os envolvidos já começam perdendo

 

⇒ Não acreditar quando o outro mostra quem é

Um dia, há muitos anos atrás, estava passando pela sala, a TV estava ligada no programa da Oprah e resolvi dar uma olhada. Ela estava falando sobre o quanto gostamos de falar que alguém “nos surpreendeu”. Ela dizia que isso não era verdade, que o outro dava sinais sem querer – ou não tão sem querer assim – de quem é. A questão é: você aceita a dica? Você aceita enxergar ou prefere botar um véu sob os seus olhos?

Naquele momento um filme correu pela minha mente. Vi o quanto amigas, amigos e as pessoas em geral, demonstraram quem eram e quantas vezes eu não quis ver, eu achava que era má interpretação minha, imagine.

Temos o hábito de ver apenas o que desejamos, de ver o outro, não como ele é, mas de acordo com o que desejamos que ele seja. Para o bem e para o mal. Mas aí precisamos estar preparados para assumir as consequências, sem a conversa de “que surpresa, nossa nunca que ia imaginar”. O consciente pode achar isso, mas deixamos percepções que queremos achar que são erradas de lado, esquecidas, até que algo vem à tona e nos mostra a realidade.

Quando o outro te mostrar quem ele é, ainda que nas entrelinhas, não julgue, acredite.

 

⇒ Esperar do outro o que nem você faz por você

A pessoa não se ama, mas espera que o outro a ame. Não se admira, mas espera que o outro a admire. Não se apoia, mas espera que o outro a apoie, não se valoriza, mas espera que o outro a valorize. Não gosta de ficar só na sua própria companhia, mas espera que o outro goste de ficar só com ela.

Muitos relacionamentos a dois já começam fadados ao fracasso porque, por falta de autoconhecimento, auto amor e de consciência, as pessoas acham que o outro está ali para suprir algo que falta, para tapar o buraco, para fazer feliz. Muitos têm filhos porque acreditam na lenda de que ao terem filhos aprenderão a amar, a ser seres humanos melhores, serão importantes e responsáveis. Acreditam que a felicidade imensa acontecerá num piscar de olhos. E aí, quando descobrem que não é nada disso, o mundo cai, sentem-se perdidos.

Ninguém merece carregar o peso da responsabilidade de nos fazer felizes. Esta é uma tarefa que cabe a nós mesmos: atuarmos na nossa felicidade através da nossa conexão com a Luz.

 

⇒ Viver em função do outro

Um relacionamento que revela Luz traz melhorias para todas as áreas da sua vida.

Assim, você se sente mais conectado com seus familiares, amigos, com seu trabalho, seu hobby e, sobretudo, com sua própria Alma.

Quando você começa a se isolar do mundo para viver focado apenas num determinado relacionamento, você se isola das outras pessoas e da sua missão. Assim o relacionamento, ao invés de te auxiliar no processo de auto transformação e compartilhar, atua como bengala que te mantém na sua zona de conforto e longe de revelar toda a Luz que você veio revelar. Isso acontece, sobretudo, no relacionamento a dois e entre pais e filhos.

Não estamos aqui para viver a vida em função de outra pessoa. Se fosse para ser assim, não teríamos nascido no nosso lugar, teríamos nascido no lugar daquela pessoa. 

 

⇒ BÔNUS: Deixar a educação de lado

“Por favor, obrigada e desculpe para quê, não é mesmo? Convivo tanto com essa pessoa que não precisamos mais dessa formalidade”.

Bem, veja você, educação agora mudou de nome, virou “formalidade”. Algumas pessoas sentem até vergonha de usar essas palavras com aqueles com quem convivem muito, sentem-se bobos. Outros, também, adaptam sua educação de acordo com seu dia, se estão num dia bom são super educados e simpáticos mas, se estiverem num dia ruim… sai de baixo! Outros, ainda, regulam sua educação de acordo com a pessoa com quem lidam, se gostam da pessoa são educados, se não gostam, não são; se estão falando com o presidente da empresa são educados, se estão falando com o faxineiro, não.

A forma como tratamos os outros fala muito de nós mesmos e muito pouco dos outros. Não devemos agir de acordo com o interlocutor, assumindo, assim, o papel de robôs, que agem conforme o estímulo: não. Somos quem somos, agimos como agimos. Veja bem, não estou falando que você tem que sair abraçando e falando quem ama uma pessoa que mal conhece ou que realmente, não gosta. Estamos falando de educação no trato com o outro.

Que trata as pessoas com educação e dignidade humana, trata a si mesmo assim e tem nessa a sua verdadeira natureza.